Menu


Social

Poemas e Poesias | O Cântico da Terra


Porque poesias lindas devem ser valorizadas!

Fala pessoal!


Hoje a coluna Poemas e Poesias traz uma das grandes poetisas do Brasil, pouco valorizada na minha humilde opinião.

Cora Coralina, pseudônimo de Anna Lins dos Guimarães Peixoto Bretas, nascida em Goiás em 1889,
é considerada uma das mais importantes escritoras brasileiras, embora seu primeiro livro só tenha sido publicado quando ela tinha 76 anos.

Era conhecida por ser uma mulher simples, tendo vivido longe dos centros urbanos, mas de um talento ímpar, sem modismos literários e dona de uma cultura impressionante. Sua arte é bela e rica.

Cora começou escrevendo aos 14 anos, publicando suas primeiras obras nos jornais de Goiânia e outras cidades do interior. Foi exaltada posteriormente por Carlos Drummond de Andrade e outros nomes importantes da literatura.

A poetisa recebeu o título de Doutor Honoris Causa da UFG, foi eleita Intelectual do Ano em 1983 e sua obra, Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais, foi aclamada como uma das 20 obras mais importantes do século XX em 1999.

O cântico da Terra - Cora Coralina

Eu sou a terra, eu sou a vida.
Do meu barro primeiro veio o homem.
De mim veio a mulher e veio o amor.
Veio a árvore, veio a fonte.
Vem o fruto e vem a flor.

Eu sou a fonte original de toda vida.
Sou o chão que se prende à tua casa.
Sou a telha da coberta de teu lar.
A mina constante de teu poço.
Sou a espiga generosa de teu gado
e certeza tranquila ao teu esforço.
Sou a razão de tua vida.
De mim vieste pela mão do Criador,
e a mim tu voltarás no fim da lida.
Só em mim acharás descanso e Paz.

Eu sou a grande Mãe Universal.
Tua filha, tua noiva e desposada.
A mulher e o ventre que fecundas.
Sou a gleba, a gestação, eu sou o amor.

A ti, ó lavrador, tudo quanto é meu.
Teu arado, tua foice, teu machado.
O berço pequenino de teu filho.
O algodão de tua veste
e o pão de tua casa.

E um dia bem distante
a mim tu voltarás.
E no canteiro materno de meu seio
tranqüilo dormirás.

Plantemos a roça.
Lavremos a gleba.
Cuidemos do ninho,
do gado e da tulha.
Fartura teremos
e donos de sítio
felizes seremos.


Fontes:
Wikipedia
Escola Educação

Posts Recentes